Logotipo WebingPro.
Menu
Background Image
Voltar para a página anterior

WordPress: Porque não usar ele
para tudo!

Postado por Vinicius Cardoso em 14/01/2015 às 09:30

Background Image

Meu primeiro post do ano vai ser sobre WordPress, e vou começar fazendo uma pergunta pra você.

Você usa WordPress para fazer algo além de blog?

Se sua resposta for sim, precisamos conversar um pouco sobre sua atitude!

Vou falar sobre o quão comum é ver pessoas/empresas que usam aplicativos que são desenhados para desempenhar uma função fazer outra. Comecei citando o WordPress por ser o caso mais comum, mas isso serve pra qualquer aplicativo que está executando uma função para o qual ele não foi projetado.

Já vi inúmeros casos de pessoas/empresas que usam Worpdress para tudo, sim pra TUDO!

Vou ser sincero, já cometi esse erro, mas aprendi e estou aqui pra confessar meu pecado!! O caso foi um site institucional, onde tinha página de produtos, página de contato, página sobre a empresa a página inicial, e só! Não tinha páginas de artigo, não tinha área de notícias. Nada! Em um caso como esse eu não deveria ter usado o WordPress. Com isso eu consumi recursos do meu servidor desnecessariamente.

Ah e vou começar dizendo que eu não sou contra o WordPress, até porque esse blog que você está lendo é administrado pelo WordPress, e eu sempre uso essa plataforma para construir blogs, pois eu tenho noção do poder que ela tem. Para Blogs e Portais!

Minha posição é ser contra o uso de um aplicativo que está todo desenhando para ser um blog sendo uma loja virtual ou até mesmo sendo uma rede social. Sim existem redes sociais feitas no WordPress também! (ou pior, sites de vagas de emprego)

Conheço por exemplos agências digitais que são inteiras baseadas em WordPress, também conheço empresas que são inteiras baseadas em Joomla.

Ao meu ver o problema começa quando pessoas/empresas se prendem a um aplicativo apenas. Eu sei que o “trabalho” para aprender a usar outro aplicativo as vezes lhe consome um tempo precioso, mas o meu ponto de vista é que aprender coisas novas é sempre bom e fazer as coisas do jeito certo é melhor ainda.

Falemos de gerenciamento de conteúdo, por exemplo, onde será que faz mais sentido gerenciar o conteúdo de uma loja virtual, num gerenciador de conteúdo de blogs, ou num gerenciador de conteúdo de lojas virtuais? Pois é! Já vi lugares onde os produtos eram posts. Não, isso não pode acontecer, produtos são produtos, posts são posts.

Por mais que você diga: “Ah mas meu plugin de loja virtual cria um novo menu produtos.”, na verdade ele criou um novo tipo de post com alguns campos especiais. Ou seja, para o banco de dados, continua sendo um post.

Ta bom Vinicius. Mas por que isso é ruim? – Você, sobre tudo o que eu estou dizendo aqui.

Simples, mostra que é uma loja virtual usando uma estrutura de banco de dados de blog, ou seja as queries muitas vezes vão ser mais lentas, as vezes um relacionamento que deveria ser simples passa a ser complicado resultando em uma loja virtual mais lenta.

Resumidamente, isso gera problemas de performance e adiciona uma complexidade extra ao precisar de uma informação relacional do banco.

Além do fato óbvio de que a manutenção da sua loja vai ser complicadíssima e muito “dolorosa” de ser feita. Você precisa de milhões de plugins de desenvolvedores diferentes para manter uma loja funcionando em cima de um WordPress. De duas uma, ou sua loja vai estar sempre desatualizada, porque nem sempre todos se atualizam ao mesmo tempo, ou se algum dev cansar de manter aquele plugin, você vai ficar na mão. Era mais fácil ter usado o Open Cart, Magento ou milhões de outros que tem por ai! 😉

Pra finalizar vou fazer aqui uma pequena anologia pra você entender qual é o problema que eu estou querendo deixar claro nesse post.

Vamos a ele:

“Você tem apenas um martelo e um parafuso em casa e precisa pendurar um quadro na parade. Você até pode usar um martelo para pregar um parafuso na parede. Vai meio que funcionar, e se você colocar um quadro na frente talvez ninguém nem repare que aquilo está pronto para cair. Ou seja, você até pode usar o WordPress para fazer uma loja virtual, e se você fizer um template bonitinho talvez ninguém nem repare que a sua loja virtual internamente é uma coleção de gambiarras.”

Deu pra entender? Você até pode me dizer que é mais barato e mais cômodo usar o parafuso, do que ir até um local onde venda pregos mais próximo. Eu vou concordar com você, é mais barato e mais cômodo! Mais agora você vai ter que concordar que mais pra frente isso pode ter problemas certo? E é sobre esse problema que eu decidi escrever esse artigo.

É meu amigo, lá na frente, o barato sai caro! Porque agência nenhuma vai te cobrar pouco pra deixar a sua loja em WordPress redonda e muito menos cobrar pouco pra fazer outra. 😉

Agora como prêmio para vocês que leram até aqui e que espero que tenham entendido o motivo desse post, irei postar uma lista de aplicativos open source (gratuitos) que vocês podem usar para criar lojas virtuais, blog, sites e afins.

Blog e Portais: Com certeza, recomendo 100% o WordPress!!

Loja Virtual: O que utilizamos aqui na empresa e tem ajudado muito a gente é o OpenCart. Porém existe também o PrestaShop, o Magento, o osCommerce.

Site: Existe o Joomla e o Drupal, nunca desenvolvemos pra nenhum deles, pois temos o nosso próprio framework open source que em breve terá uma documentação e um site oficial, mas se você quiser já usar ele tem um artigo que dá uma breve descrição sobre ele.

Então por hoje era isso!

E você qual sua opinião sobre usar CMS’s que foram projetados pra fazer uma funcionalidade fazerem outro?

Conheça o autor do post

Vinicius Cardoso:
Notice: the_author_description está obsoleto desde a versão 2.8.0! Use the_author_meta('description') em seu lugar. in /home/webingpro/www/blog/wp-includes/functions.php on line 3831
Prazer eu sou um nerd de carteirinha! Pelo menos é o que eu penso de mim, já que eu adoro tecnologia e gadgets tecnológicos... Coisas novas me fascinam, por isso que que trabalho com Marketing Digital, afinal é um universo que está em constante mudança. Viajar, sair pra dançar, ir para praia, praticar esporte, ver filme e jogar xbox é o que faço no meu tempo livre.

  • Gabriel

    Concordo com todos os pontos, porém gostaria de acrescentar mais um. O WordPress vem com uma série de coisas nele, pré prontas, com o objetivo de gerenciar conteúdo de blogs, portais, etc… Porém, se você quiser remover alguma dessas funcionalidades, a solução faz com que qualquer desenvolvedor sinta como se tivesse perdido toda a habilidade, lógica e experiência adquirida através dos anos. Por exemplo, se você quiser retirar um elemento do menu do admin, para isso você pode usar css e esconder o elemento com display:hidden por exemplo, ou usar jquery para remover o elemento. Convenhamos que ambas as situações são falhas e podem ser facilmente burladas através de uma combinação de desativar o javascript com procurar o link no inspect element do navegador. Outra opção é procurar no código do WordPress onde monta o menu e criar uma opção nova para remover itens, mas isso vai dar um monte de trabalho e além de violar alguns príncipios de programação – tal como o aberto fechado – ainda pode ter impactos negativos gerando bugs em algum outro lugar do sistema.

    • Ricardo Lima Gonçalves

      Gabriel, discordo do exemplo que você deu… tirar um menu ou qualquer outro recurso do WordPress com jquery ou com css hidden é uma baita de uma gambiarra, que só quem não conhece WordPress faz (e muita gente faz e coloca a culpa no WP). Todos os recursos do WordPress podem ser manipulados por hooks e filtros. Você pode filtrar o retorno para tirar aquilo que não ou até impedir que o sistema tente carregar algum recurso, “desregistrando-o”. Não precisa de gambiarra nem de alterar o core do WordPress não…

  • Michael Santillan

    Seu ponto de vista em parte é diferente do meu, trabalho com wordpress e na epoca em que surgiu realmente ele foi projetado para gerenciar blogs, porem, hoje ele é robusto o suficiente para suportar qualquer tipo de aplicação web. Basta você como desenvolvedor seguir a melhores praticas de desenvolvimento. Agora concordo com você que tem que se estudar o tipo de projeto para ver se é viavel usar ou nao WP. Mais nada impede que ele possa se transformar em um portal, loja ou qualquer outra coisa. até porque ele é feito em php e Mysql.

    • Cara, mas ai é que está, ele não vai ficar bom o suficiente. Lógico, vai funcionar e tal, pro usuário final é capaz de não ter problema nenhuma. Mas os plugins feitos para ele são muito “gambiarras”, como exemplo posts que viram produtos e por ai vai… Além do fato de requisições e mais requisições sem sentido que ele sempre vai fazer, por ter sido feito para fazer um blog. Se você for tirar tudo e deixar ele limpo e 100% pra uma loja, vai perder mais tempo do que se usasse um CMS próprio.

      Se eu falar pra você que vou usar o Open Cart ou o Magento para um blog, você vai usar os mesmos argumentos que usamos aqui para dizer que WordPress não é pau para toda obra :p

  • doravan

    kra, e a responsabilidade de ler sobre o assunto antes de postar?
    Mais um filisteu liderando um negócio.

    • Apresente argumentos e mostre que você leu sobre o assunto antes de fazer um comentário desse tipo, que não leva ninguém a lugar nenhum! 🙂 – e, de certa forma, mostra que você não tem nem ideia do que está falando.

      Vou ficar aguardando suas considerações para termos um debate decente!

      Abraços.

  • Guest

    Olá! Gostei do seu post. A minha dúvida é o que vc seguere então quando o seu ste institucional tem aba de loja virtual? Quando se precisa de ambas as funcionalidades (conteúdo e informações) o que fazer?
    Obrigada

  • Caroline Simoes

    Olá, gostei bastante do seu post.
    O que vc sugere quando precisamos de toda a parte institucional, com matérias/posts e também a parte de loja online em outra aba? Qual a melhor solução para ter ambos?
    Obrigada

    • Caroline,
      Bom dia, tudo bem com você? 🙂

      Nesse caso temos algumas opções:

      1ª [Fácil] – Use duas ferramentas, o WordPress para o blog e o Open Cart, por exemplo, para o E-commerce (apesar de que, se não me engano, o Open Cart até tem um módulo de notícias). E ai o ideal é que os dois se “integrem” pela identidade visual 🙂 ou seja, sigam um mesmo conceito/padrão visual. Ai cada um ficaria em um “domínio” (pasta) diferente. Ex: http://www.seusite.com.br/loja e http://www.seusite.com.br/blog

      2º [Difícil] – Integrar o WordPress e o Open Cart. Assim a pessoa vai estar sempre “dentro do mesmo site”, o menu do blog, por exemplo, teria o “Carrinho” da loja virtual. Porém, já é um pouco mais complicado. Você precisaria de uma agência ou um desenvolvedor 🙂

      3º [Difícil] – Criar um CMS próprio que gerencie a sua loja e o seu conteúdo. Mas ai é bem mais caro e bem mais complexo, acredito que o ideal, para essa aplicação, seja contratar uma agência que já tenha um CMS próprio.

      Ai fica ao seu critério, vale lembrar que essa é a minha opinião, existem muitas outras por ai que você pode ouvir também!
      Obrigado por comentar no nosso blog e tenha uma excelente semana!

      • Ricardo Lima Gonçalves

        João só pra dar mais um palpite aqui…rs
        Problemas nas suas opções para um usuário final:
        1. Aprender a administrar o WordPress ou OpenCart não é tarefa fácil para um usuário comum. Aprender a operar os 2 é difícil. Aprender a operar os 2 e ainda fazê-los funcionar em conjunto, nem se fala…
        2. Isso sim traria problemas de performance, bugs e desvirtuação (essa palavra existe?) do propósito original de cada um. Dois banco de dados diferentes, funções completamente distintas, classes, uso de memória, cache… enfim não consigo nem pensar nessa solução como viável…
        3. Caro e arriscado. Existem boas empresas com CMS incríveis e suporte excelente? Sim. Existem empresas com uma base de usuários e desenvolvedores grande o suficiente para que os bugs e falhas de segurança sejam corrigidos com a mesma velocidade e qualidade que os do WordPress, Magento, Joomla, OpenCart, etc? Não. CMS próprio “do zero” exige muito investimento de tempo e dinheiro.

  • Fabio Salvador

    Amigos, entro na discussão para pedir opiniões, especialmente do autor do texto.

    Sabe, eu estou há ANOS com um dilema tremendo nas mãos, sobre essa coisa de gerenciamento de conteúdo.

    Eu tenho um site, um blog… eu publico coisas ali desde, sei lá, o começo do século. E aí, passamos por hospedagem gratuita (caso do GeoCities e Tripod), passei por vários desses hosts, depois usei o BlogSpot, Blogger, tudo o que foi sendo inventado. E fui migrando os dados.

    Daí, um belo dia, aprendi PHP, criei vergonha na cara e construí meu próprio CMS, que para te falar bem a verdade, ficou bem completinho. Eu tinha o “Blog do Fabio Salvador” no ar, misturava tudo quanto era assunto, e era feliz assim. Até que um dia, começou essa era das redes sociais, da integração entre sites e elas (com “curtir” e coisas do tipo). E surgiu o Google Analytics.

    Aí, realmente, começou o PESADELO. Eu comecei a ver esses dados, cruzá-los, e entendi que não posso ter um blog sobre TUDO. Ainda mais quando eu tive que criar a versão “mobile” para o site, que não me permite espalhar os núcleos de conteúdo diferentes pela tela, porque ela é estreita e pequena. Então, se eu escrevia sobre videogames, o leitor que entrava no site pensava estar em um blog de videogames. Mas abaixo tinha opiniões sérias sobre assuntos da atualidade.

    Os hábitos e formas de navegação dos usuários também mudaram muito, desde que entrei nessa coisa de internet nos últimos anos do século passado.

    E aí, não dá para ter um “saladão”. Então, reparti em dois sites, usando o mesmo “motor” em PHP (sim, eu criei um CMS que é uma plataforma multi-sites). E lá estão eles… http://www.fabiosalvador.com.br é o que ficou com as coisas sérias, e é o domínio que está no ar há mais tempo.

    Aí, estou nesse dilema…

    … eu tenho esse CMS que eu criei em PHP. E temos a opção de usar WordPress. A essa altura do campeonato, não sei se é o caso de migrar, não migrar, fazer o que? O que acham?

    • Ricardo Lima Gonçalves

      Migra pro WordPress, Joomla ou qualquer outro CMS open source e o tempo e esforço que você tem para manter esse código você investe em aprender e contribuir para a comunidade. Manter um CMS próprio fazia sentido há 10 anos… hoje em dia não mais.

  • Ricardo Lima Gonçalves

    Achei seu post procurando boas razões para não usar WordPress para tudo…rs. Eu uso, e quanto mais uso mais me convenço que não há motivos para não usar. O WordPress foi criado para fazer blog, mas não é um blog, é um CMS. Entendo a visão purista de usar CMS só pra blog, mas tudo que precisa de gerenciamento de conteúdo pode ser gerenciado com um gerenciador de conteúdo, ou não? O argumento que um post não deve ser tratado como um produto é purista. A diferença de performance entre um magento, um opencart ou um woocommerce é tão imperceptível em uma instalação bem feita que fica no campo da academia, com os benchmarks. E isso se dá justamente porque o WordPress é um CMS, que tem uma capacidade muito grande de indexação e cache do banco de dados. Não estou dizendo que é melhor que outra plataforma, apenas que ele é bastante flexível e não há motivos para não usá-lo para tudo, desde que você saiba o que está fazendo… não adianta sair instalando um plugin em cima do outro e achar que vai dar certo. Não, não vai…